BIOLOGIA DOS MOSQUITOS

Biologia e Comportamento

 

O nome científico Culex denomina o mosquito comum, uma praga bem conhecida nos climas temperados. Sua picada irritante é algo que todos nós já experimentamos. Somente as fêmeas picam. Ela perfura a pele da vítima com seu aparelho picador, inocula sua saliva misturando-a com o sangue (para evitar que o sangue coagule) e então suga a mistura. À medida que o mosquito se alimenta, seu abdome incha-se e torna-se avermelhado. A fêmea tem uma necessidade absoluta do sangue de um mamífero para poder produzir seus ovos. Ela põe os ovos num lago, num charco ou até mesmo numa simples poça d’água. Cada um deles dará origem a uma larva aquática, elas parecem minhocas vermelhas, que sobem se contorcendo á superfície da água para respirar. O ruído estridente que o mosquito produz ao bater as asas bem depressa é muito específico e permite que os parceiros de uma mesma espécie possam se reconhecer e encontrar para acasalarem. Até alcançar a maturidade, os mosquitos sofrem muitas metamorfoses. Primeiro a fêmea põe seus ovos na água, em massas flutuantes de 40 a 400 ovos. As larvas, que saem logo em seguida, ficam suspensas na superfície da água por finos pêlos. Um sifão existente na extremidade do abdome permite-lhes respirar, obtendo oxigênio do ar. Alimentam-se principalmente de algas verdes e microorganismos. Em três semanas sofrem três modificações. quarto estágio é a pupa, cujo casulo se rompe e o mosquito adulto aparece e abre suas asas. Este é o último estágio e o começo de uma nova vida. Esse mosquito é considerado um hospedeiro intermediário das filárias, vermes que causam a filariose ou elefantíase.

 

Muitos danos são causados pelos mosquitos. O grande número de vírus pode produzir massas de anticorpos ligados a inúmeros vírus e uns aos outros que danificam o endotélio dos vasos, levando a hemorragias.